Qual o impacto do Covid-19 no mercado profissional da música? Quais os processos e as estratégias dos músicos para fazer frente a este período excecional, marcado pela falta de perspetivas? Qual o impacto das restrições impostas pelo SNS na performance dos músicos, isto é, como os elementos extramusicais de um evento podem influir sobre os resultados de uma performance ao vivo ou em streaming? Como são percebidos estes novos formatos de performance pelos músicos e pelo público em geral?

O Projeto Ágora pretende responder a estas questões, através de trabalho de campo etnográfico, realizando 30 entrevistas com trabalhadores ligados à área da música, pesquisas no campo e online. Através das entrevistas é possível avaliar o impacto da crise no sector da música em Portugal e documentar as estratégias aplicadas pelos vários agentes culturais, com enfoque nas atividades criativas e de performance durante o período de confinamento e no seguinte período marcado pela escassez de eventos com público, como concertos, festivais, tournées, etc. O conjunto das entrevistas inclui músicos, técnicos, produtores, promotores, agentes e público. Além das entrevistas, o Projeto Ágora propõe um conjunto de performances ou trabalhos criativos que foram concebidos a partir do período de quarentena de 2020, em formato audiovisual (álbuns, vídeos, singles, live streamings, etc.). 

Os resultados da investigação são publicados na plataforma Ágora, que pretende ser um espaço de reflexão, debate, análise documental sobre os diversos constrangimentos assim como as soluções e caminhos dos vários agentes culturais para que continue a haver arte e cultura. Os constrangimentos e as soluções derivadas deste período excecional, vão determinar novas práticas e novas realidades no futuro da cultura geral e em particular, nas artes performativas.

Qual o impacto do Covid-19 no mercado profissional da música? Quais os processos e as estratégias dos músicos para fazer frente a este período excecional, marcado pela falta de perspetivas? Qual o impacto das restrições impostas pelo SNS na performance dos músicos, isto é, como os elementos extramusicais de um evento podem influir sobre os resultados de uma performance ao vivo ou em streaming? Como são percebidos estes novos formatos de performance pelos músicos e pelo público em geral?

O Projeto Ágora pretende responder a estas questões, através de trabalho de campo etnográfico, realizando 30 entrevistas com trabalhadores ligados à área da música, pesquisas no campo e online. Através das entrevistas é possível avaliar o impacto da crise no sector da música em Portugal e documentar as estratégias aplicadas pelos vários agentes culturais, com enfoque nas atividades criativas e de performance durante o período de confinamento e no seguinte período marcado pela escassez de eventos com público, como concertos, festivais, tournées, etc. O conjunto das entrevistas inclui músicos, técnicos, produtores, promotores, agentes e público. Além das entrevistas, o Projeto Ágora propõe um conjunto de performances ou trabalhos criativos que foram concebidos a partir do período de quarentena de 2020, em formato audiovisual (álbuns, vídeos, singles, live streamings, etc.). 

Os resultados da investigação são publicados na plataforma Ágora, que pretende ser um espaço de reflexão, debate, análise documental sobre os diversos constrangimentos assim como as soluções e caminhos dos vários agentes culturais para que continue a haver arte e cultura. Os constrangimentos e as soluções derivadas deste período excecional, vão determinar novas práticas e novas realidades no futuro da cultura geral e em particular, nas artes performativas.