Radio Olisipo On air -
close

27.01.2024

Mili Vizcaino & Ustad Fazel Sapand – Que Me Quema (2024) (single)

Mili Vizcaino & Ustad Fazel Sapand – Que Me Quema (2024) (single)

LA BARCA APRESENTA

“VERDE MI SANGRE, ROJO TUS HOJAS”

O pianista Rui Filipe (Lisboa) e a cantora Mili Vizcaíno (Badajoz), irão lançar o seu segundo álbum em Setembro de 2023. Este é o resultado de dois anos pesquisando, compondo, poetizando e colaborando para a defesa da biodiversidade. A partir de Outubro, terá início a turné de apresentação desta nova rota de La Barca, que começará em Espanha e Portugal.

La Barca zarpou há seis anos. Em 2021 apresentou o seu primeiro

álbum, “Materia Mestiza”, levando-nos numa viagem por

experiências e emoções variadas na primeira pessoa. Agora, no seu

segundo álbum, “Verde mi Sangre, Rojo tus Hojas”, o “eu” dissolve-se no “nós”, envolvendo mais do que humanos, dando voz a abelhas, rios, árvores, pássaros, aranhas, lobos, ervas… levando-nos pela mão a descobrir a beleza dos seres e dos ecossistemas, os nossos desafios ambientais e algumas reflexões que nos levam a sentir um pouco mais fundo que “nós” somos a própria Natureza.

No ecossistema deste novo álbum encontramos algumas colaborações poéticas de Johnny Galvão (Portugal), Julio Majadas (Espanha) e Fazel Sapand (Afeganistão). Este trabalho inclui ainda colaborações musicais como Cristóbal Sánchez (bateria/ percussão, Espanha), Sandra Martins (violoncelo, Portugal), Edu Miranda (bandolim, Brasil), José Barros (viola braguesa, Portugal) e Fazel Sapand(Afeganistão).

Mas talvez o mais característico deste álbum sejam as colaborações recitadas de naturalistas dos vários ramos do activismo ecológico em Espanha e Portugal, como Arantza Leal Nebot, Eduardo Barba,

Maria Ilhéu, Raúl Alcanduerca ou Joaquín Araújo que, como uma lâmpada essencial, vão guiando os nossos passos pela biodiversidade que povoa este disco. Gravado no estúdio Barqueiro de Oz (Portugal) entre 2022 e 2023.

Assinam a arte visual do álbum, Manuel Acedo Lavado e María del Mar Jiménez.

“Mili e Rui convidam à reação, ao mutualismo, à colaboração, à mudança de atitude, a abraçarem- se como as raízes se abraçam e se ligam através de fios tão subtis, belos e eficazes como os de uma teia rendada de seda, uma das matérias-primas deste álbum, na qual ficam presas as pessoas empenhadas, que trabalham com amor, convicção, paixão e luta nos vários aspectos da natureza. E eles também foram apanhados! Sem exaltação, nem estridência, nem propagandas, mas com as suas armas poderosas: a voz, a melodia, a beleza que há em ambos, o amor pela terra que habitam e a vontade firme de contagiar, porque felizmente não há nada que cative e contagie tanto quanto a beleza”. (Isabel Castaño, 2023)

Comentários

Deixe seu Comentário