Dela Marmy – Acaso Feat Sopa De Pedra (2023) (single) ID

Dela Marmy – Acaso Feat Sopa De Pedra (2023) (single) ID

DELA MARMY REVELA UMA NOVA PELE COM “ACASO”

ARTISTA REGRESSA ÀS EDIÇÕES COM NOVO SINGLE E APRESENTA-SE PELA PRIMEIRA VEZ EM PORTUGUÊS COM ÁLBUM A EDITAR EM 2024

“Acaso” é o novo single que traz de volta Dela Marmy a estúdio e que pode ser conhecido a partir de hoje em todas as plataformas digitais, com videoclipe oficial no YouTube, realizado por Nuno Miranda. Depois da edição de dois EPs (2019 e 2020), pode-se dizer que a canção que antecipa o lançamento do seu primeiro longa-duração dá conta de se estar perante uma nova Dela Marmy, cantando em português pela primeira vez.

Mais intimista e despojada do que nunca, parte de um corpo poético, cru, subjectivo, empático e político, abordando temas que falam essencialmente sobre amor, dor, procura, pensamento individual e, por consequência, colectivo, em clara resistência ao superficial, ao individualismo, ao alheamento e à ignorância, circunstâncias demasiado evidentes nos dias de agora.

Com uma sonoridade envolvente, que une elementos electrónicos e acústicos circundando a sua voz voluptuosa, Dela Marmy transporta quem a ouve para um território onde imaginação(ou irreal) e realidade não são passíveis de serem dissociados. Em “Acaso” não se apresenta só e a acompanhá-la está o coro polifónico Sopa de Pedra, assim como o produtor João Correia (Tape Junk), com quem se encontra a trabalhar no álbum a editar.

Dela Marmy explica que “desejo tornar transparente para o outro a minha forma, tão frágil quanto ousada, de sentir, pensar e agir sobre o mundo, e que é tão somente uma entre tantas. Escrevi esta canção porque quero celebrar os acontecimentos (aparentemente) inesperados que nos enlaçam e nos mudam o ‘plano {im}perfeito da vida’. Para tal, sublimando a continuidade do tempo, o fulgor do som colectivo, a delicadeza da perda assim como do desprendimento, a natureza que sempre acontece – haja o que houver – e os sonhos, esses escudos indefectíveis que vão resistindo para nos manterem vivos e despertos. Um enlace-alento individual e universal que, porventura, nos lembrará do brilho, ou até o devolverá”.

Sobre o vídeo, Nuno Miranda conta que “assistimos ao alter ego Dela Marmy em diálogo com os mais simples ou complexos estados emotivos, num momento de completa vulnerabilidade. Este filme faz jus ao acto de transfiguração da melancolia e de transformação do próprio processo criativo, desaguando num renascimento narrativo e visual”.

Depois de ter integrado a banda The Happy Mess, nos sintetizadores e voz, entre 2011 e 2017, Joana Sequeira Duarte lançou-se num percurso a solo, estreando-se com o nome Dela Marmy em 2019, desenvolvendo a partir daí uma música onde a pop mais sonhadora coabitava com influências do rock ou folk mais alternativos, ao mesmo tempo que, em palco, as canções ganhavam cor, volume e um corpo feminino performativo, ou não tivesse ela estado ligada à dança durante muitos anos. Dança aliás como canta, misto de delicadeza, encanto e verdade. Nada é um acaso.

Estória, Realização e Produção de Boaventura | Art Studio
Agradecimento – Rosa Vaz

Escrito por Dela Marmy
Voz // Dela Marmy


Produzido e gravado por João Correia


Misturado e masterizado por Tiago de Sousa

Gravação adicional de sintetizadores e teclados por António Vasconcelos Dias e João Correia

Colaboração musical no arranjo de vozes, Inês Campos e Mariana Gil

Participação especial – Sopa de Pedra {Inês Campos, Maria Vasquez, Mariana Gil, Rita Campos Costa}

João Correia – Arranjo, bateria, baixo, percussão, teclados e coros

António Vasconcelos Dias – Teclados e sintetizadores

Artwork

Alípio Padilha – Fotografia
 Boaventura | Art Studio – Design

Apoio
Sociedade Portuguesa de Autores

© ℗ KPRecords*KillPerfection